terça-feira, 12 de agosto de 2014

casida da menininha

Dois loucos perambulavam pela Carochinha
Cada conto que encontravam
Agarravam e guardavam na sacolinha
Cada conto que encontravam
Menos um na Carochinha

Dois loucos saqueavam a Carochinha
A cada conto que encontravam:
‘Este é meu!
Contos são dos que caminham!’
E tomavam o que não liam

Normal foi ficando a Carochinha
Vias, carros, cobras, gentes
Os loucos, os transeuntes
E eis que deram com uma menininha
Triste pelo que lá mais não tinha

Um louco olhou o outro:
‘Será um conto essa coisinha?’
Ele mesmo se anuviou:
‘Não, isso é uma menininha
E não cabe na sacolinha’

O louco outro sugeriu:
‘Caberá se bem amassadinha’
E ele mesmo desponderou:
‘Mas ficará toda amarrotada,
Não resolverá uma passadinha’

Afligida, a menininha ralhou:
‘Devolvam os contos da Carochinha!’
‘O que você nos dá em troca?’
Perguntaram em uníssono
‘Tomem minhas lagriminhas’

‘Elas são líquidas ou de cristal?’
Desconfiaram em uníssono
‘Nem líquidas nem sólidas,
São apenas minhas’
‘Então nada feito, menininha’

Loucos saqueiam a Carochinha
Encostadinha em uma folha
Está uma menininha
A repetir bem baixinho
‘São pérolas, minhas lagriminhas’
andrejcaetano

sábado, 26 de julho de 2014

primeiro poema do ano

para o
primeiro
poema do
ano
são necessárias novas palavras
as mais desgastadas as mais revelantes
                        [o maracujá
desce o córrego
                        de ribeiras
cimentadas]
pois a luz não é o alvorecer
o crepúsculo não endoida
a poesia não conforta
[apenas a possibilidade de uma pena]

inocentes de nostalgias as crianças crescem
esplendores de energia
rumam alegres para o sofrimento
[não há renúncia sem a sua pedagogia]

sofram e sejam
crianças!
renunciem ao tempo vindouro
firmes e gratas
renunciem às inócuas proteções
hoje e sempre ineptas
sejam todos os dias diariamente
crianças

andrejcaetano

quinta-feira, 3 de julho de 2014

novíssimas poéticas avoengas

ovas que não dão peixes
mesmíssimas malditas
[irritam-se
 as escritas]

velhíssimas novas nos enfeixes
            novíssimas ditas nos enfeites
troca-trovas de desditas
            trovas-ocas ocas chocas

ortocanônicas
confabuleias juramentosas
remuneram-se ventríloquas
autocongratulatórias

lei projeto e fábula
páginas kilocalóricas
ver-o-peso e desova
nas orelhas as devidas loas

capa
brônquios bronquíolos alvéolos
contracapa
  e nada do numerário sujo da alma
andrejcaetano