sábado, 20 de dezembro de 2014

pintura

tudo o que devia, passou
os tempos idos se foram tinta
e descascado está o que ficou

se as fotos guardadas na caixa de papelão
conectam o outrora e entendem isso agora,
para que outra demão?
andrejcaetano

domingo, 23 de novembro de 2014

então

eu era eu mas também era outra pessoa
tavaqui tavali tavacolá
e o que de mim se fez se desfez
defeito perfeito desfeito avuô
[saudade = caixinha de guardar perdido]

eu sou eu mas também serei outra pessoa
serei isso serei aquilo e aquil’outro
só não sei ainda se quero ser avô
– eu quem está por vir porvir sempre será
[a morte é certa; a esperança, passatempo]
andrejcaetano

terça-feira, 2 de setembro de 2014

setembro novamente

ele,
o rei,
berrou implorando:
elí! elí! lammá sabactáni?
que elí lhe respondeu:
‘calça tuas sandálias
e anda
até o teu fim
até o fim dos teus;
te ressuscito
setembro que vem
como plebeu’

andrejcaetano

terça-feira, 12 de agosto de 2014

casida da menininha

Dois loucos perambulavam pela Carochinha
Cada conto que encontravam
Agarravam e guardavam na sacolinha
Cada conto que encontravam
Menos um na Carochinha

Dois loucos saqueavam a Carochinha
A cada conto que encontravam:
‘Este é meu!
Contos são dos que caminham!’
E tomavam o que não liam

Normal foi ficando a Carochinha
Vias, carros, cobras, gentes
Os loucos, os transeuntes
E eis que deram com uma menininha
Triste pelo que lá mais não tinha

Um louco olhou o outro:
‘Será um conto essa coisinha?’
Ele mesmo se anuviou:
‘Não, isso é uma menininha
E não cabe na sacolinha’

O louco outro sugeriu:
‘Caberá se bem amassadinha’
E ele mesmo desponderou:
‘Mas ficará toda amarrotada,
Não resolverá uma passadinha’

Afligida, a menininha ralhou:
‘Devolvam os contos da Carochinha!’
‘O que você nos dá em troca?’
Perguntaram em uníssono
‘Tomem minhas lagriminhas’

‘Elas são líquidas ou de cristal?’
Desconfiaram em uníssono
‘Nem líquidas nem sólidas,
São apenas minhas’
‘Então nada feito, menininha’

Loucos saqueiam a Carochinha
Encostadinha em uma folha
Está uma menininha
A repetir bem baixinho
‘São pérolas, minhas lagriminhas’
andrejcaetano